Arquivos do Blog

Cinema 10 | Ep.06 | Cisne Negro

BlackSwanCartaz

Sinopse:

Nina Sayers (Natalie Portman) é bailarina de uma companhia novaiorquina de balé. Sua vida, como a de todos nessa profissão, é inteiramente consumida pela dança. Ela mora com a mãe, Erica (Barbara Hershey), bailarina aposentada que incentiva a ambição profissional da filha. O diretor artístico da companhia, Thomas Leroy (Vincent Cassel), decide substituir a bailarina principal, Beth MacIntyre (Winona Ryder), na apresentação de abertura da temporada, O Lago dos Cisnes, e Nina é sua primeira escolha. Mas surge uma concorrente: a nova bailarina, Lily (Mila Kunis), que deixa Thomas impressionado.

O Lago dos Cisnes requer uma bailarina capaz de interpretar tanto o Cisne Branco com inocência e graça, quanto o Cisne Negro, que representa malícia e sensualidade. Lily se encaixa perfeitamente no papel do Cisne Negro, porém Nina é a própria personificação do Cisne Branco. As duas desenvolvem uma amizade conflituosa, repleta de rivalidade, e Nina começa a entrar em contato com seu lado mais sombrio, prejudicando seu equlíbrio psicológico. Em sua busca pelo seu lado obsceno, Nina acaba causando um conflito dentro de sua conturbada mente, e nessa obsessão em criar um cisne negro, ela pode acabar destruindo sua sanidade.

Elenco:

Natalie Portman … Nina Sayers/Rainha dos Cisnes
Mila Kunis … Lily/Cisne Negro
Vincent Cassel … Thomas Leroy/Cavalheiro
Barbara Hershey … Erica Sayers/Rainha
Winona Ryder … Beth MacIntyre/Cisne Morrendo
Benjamin Millepied … David/Princípe
Ksenia Solo … Veronica/Pequeno Cisne
Kristina Anapau … Galina/Pequeno Cisne
Janet Montgomery … Madeline/Pequeno Cisne
Sebastian Stan … Andrew/Pretendente
Toby Hemingway … Tom/Pretendente
Sergio Torrado … Sergio

Principais prêmios e indicações

Oscar (Academy Award)

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor Filme Black Swan Indicado
Melhor direção Darren Aronofsky Indicado
Melhor atriz Natalie Portman Venceu
Melhor fotografia Matthew Libatique Indicado
Melhor edição Andrew Weisblum Indicado

Globo de Ouro

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor filme – Drama Black Swan Indicado
Melhor direção Darren Aronofsky Indicado
Melhor atriz – Drama Natalie Portman Venceu
Melhor atriz coadjuvante Mila Kunis Indicado

SAG Awards (Screen Actors Guild Awards)

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor atriz Natalie Portman Venceu
Melhor atriz coadjuvante Mila Kunis Indicado
Melhor elenco Black Swan Indicado

BAFTA Awards

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor filme Black Swan Indicado
Melhor direção Darren Aronofsky Indicado
Melhor atriz Natalie Portman Venceu
Melhor Atriz coadjuvante Barbara Hershey Indicado
Melhor roteiro original Mark Heyman, Andres Heinz, John McLaughlin Indicado
Melhor cinematografia Matthew Libatique Indicado
Melhor edição Andrew Weisblum Indicado
Melhor design de produção Therese DePrez, Tora Peterson Indicado
Melhor figurino Amy Westcott Indicado
Melhor som Ken Ishii, Craig Henighan, Dominick Tavella Indicado
Melhores efeitos especiais Dan Schrecker Indicado
Melhor cabelo e maquiagem Judy Chin, Geordie Sheffer Indicado

Festival de Veneza

Ano Categoria Notas Resultado
2010 Leão de Ouro Darren Aronofsky Indicado
Prêmio Marcello Mastroianni Mila Kunis Venceu

Independent Spirit Awards

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor Filme Black Swan Venceu
Melhor Atriz Natalie Portman Venceu
Melhor Diretor Darren Aronofsky Venceu
Melhor Fotografia Matthew Libatique Venceu

MTV Movie Awards

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor Filme Black Swan Indicado
Melhor Beijo Natalie Portman e Mila Kunis Indicado
Melhor Atriz Natalie Portman Indicado
Melhor Momento de cair o queixo Indicado

Teen Choice Awards

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor Filme – Drama Black Swan Venceu
Melhor Atriz – Drama Natalie Portman Venceu
Melhor Revelação – Drama Mila Kunis Indicado
Melhor Beijo Natalie Portman e Mila Kunis Indicado

Scream Awards

Ano Categoria Notas Resultado
2011 Melhor Diretor Darren Aronofsky Venceu
Melhor Atriz de Fantasia Natalie Portman Venceu
Melhor Atriz Coadjuvante Mila Kunis Venceu
The Ultimate Scream Black Swan Indicado
Melhor Filme de Fantasia Black Swan Indicado
Melhor Roteiro Black Swan Indicado
Cena de Mutilação Memorável Black Swan Indicado
Anúncios

Cinema 10 | Ep. 05 | Regate Abaixo de Zero (Eight Below)

113065_Papel-de-Parede-Resgate-Abaixo-de-Zero-Eight-Below_1280x1024

Sinopse

Jerry Shepherd (Paul Walker), Charlie Cooper (Jason Biggs) e o geólogo David McClaren (Bruce Greenwood) fazem parte de uma expedição científica na Antártica. Devido a um acidente inesperado e às perigosas condições meteorológicas da região, a expedição é obrigada a abandonar sua equipe de cães de trenó. Com isso os cães precisam enfrentar sozinhos o forte inverno da Antártica por 6 meses, até que seja possível organizar uma nova missão, com o objetivo de resgatá-los.

Elenco

Paul Walker
Bruce Greenwood
Moon Bloodgood
Jason Biggs
Gerard Plunkett
August Schellenberg
Wendy Crewson
Belinda Metz
Connor Christopher Levins
Duncan Fraser
Dan Ziskie
Michael David Simms
Daniel Bacon
Laara Sadiq
Malcolm Stewart

Trailer

Cinema 10 | Ep. 04 | Menina de Ouro (Million Dollar Baby)

cinema10

Packshot_MDB_SE

Sinopse

Afastado da sua filha, Frankie (Clint Eastwood) revela uma grande dificuldade na aproximação aos outros, e apenas lhe resta o amigo Scrap (Morgan Freeman), um ex-lutador de boxe que cuida do ginásio de Frankie. É então que entra em cena, em seu ginásio, Maggie Fitzgerald (Hilary Swank), que sempre teve pouco da vida, mas que ao contrário de muitos, sabe bem o que quer e tem a determinação necessária para o alcançar.

Elenco

Clint Eastwood – Frankie Dunn

Hilary Swank – Maggie Fitzgerald

Morgan Freeman – Eddie Scrap-Iron Dupris

Jay Baruchel – Danger Barch

Mike Colter – Big Willie Little

Lucia Rijker – Billie ‘Urso Azul’

Brian F. O’Byrne – padre Horvak

Anthony Mackie – Shawrelle Berry

Margo Martindale – Earline Fitzgerald

Riki Lindhome – Mardell Fitzgerald

Michael Pena – Omar (as Michael Peña)

Benito Martinez – empresário de Billie

Bruce MacVittie – Mickey Mack

Principais prémios e nomeações

Óscar 2005 (EUA)

Óscar para filme, Óscar para cineasta — Clint Eastwood, Óscar para actriz principal — Hilary Swank, Óscar para actor secundário — Morgan Freeman.  Indicado nas categorias de melhor montagem (Joel Cox), melhor roteiro adaptado e melhor ator (Clint Eastwood).

Globo de Ouro 2005 (EUA)

Globo de Ouro para Diretor – Clint Eastwood, Globo de Ouro para Atriz – Drama – Hilary Swank. Indicado nas categorias de Melhor Filme – Drama, Melhor Ator Coadjuvante (Morgan Freeman) e Melhor Trilha Sonora.

Screen Actors Guild 2005 (EUA)

Venceu nas categorias de Melhor Atriz (Hilary Swank) e Melhor Ator Coadjuvante (Morgan Freeman). Indicado na categoria de Melhor Elenco.

César 2006 (França)

Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

MTV Movie Awards 2005 (EUA)

Recebeu uma indicação na categoria de Melhor Atriz (Hilary Swank).

Academia Japonesa de Cinema 2006 (Japão)

Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Prêmio David di Donatello 2005 (Itália)

Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Prémios Sant Jordi 2006 (Espanha)

Venceu na categoria de Melhor Diretor (Clint Eastwood).

Satellite Awards 2005 (EUA)

Venceu nas categorias de Melhor Atriz de Cinema – Drama (Hilary Swank) e Melhor Roteiro Adaptado.

Trailer

Cinema 10 | Ep. 03 | Fernão Capelo Gaivota

cinema10

Fernão Capelo Gaivota

Fernao-Capelo-Gaivota-Sergio-Ricardo-Rocha

Sinopse:

Uma gaivota de nome Fernão decide que voar não deve ser apenas uma forma para a ave se movimentar. A história desenrola-se sobre o fascínio de Fernão pelas acrobacias que pode modificar e em como isso transtorna o grupo de gaivotas do seu clã. É uma história sobre liberdade, aprendizagem e amor .

Trailer

Apoio Cultural Cinema 10:

logo_ache

Crítica:

Quando Richard Bach escreveu Fernão Capelo Gaivota (1970), deve ter intuído que seu livrinho faria sucesso. Não deve ter adivinhado o quanto: Fernão Capelo Gaivota  foi o fenômeno editorial da década. O livro inspirou uma geração de bichos-grilos a aprofundar sua busca interior sem os excessos da contracultura. Os hippies aderiram em massa, e não só eles: de agentes do FBI a grupos de Alcoólicos Anônimos (AA), todos estavam antenados nas lições espirituais daquele passarinho iluminado.

“A vida tem que ser mais do que brigar por algumas cabeças de peixe,” reflete nosso protagonista. Fernão quer ser diferente. Não quer disputar com as outras gaivotas por restos de comida ou baixar a cabeça e seguir as leis do bando. Sonha em voar mais alto e mais rápido do que todo mundo. Seu isolamento voluntário, ideal para aprimorar suas habilidades aéreas, inquieta seus pais. Eles vêem no seu comportamento estranho um motivo de preocupação para todo bando. Um dia Fernão finalmente descobre que pode voar a mais de 100 km/h. “Como vou contar a eles? Como vou dizer?” se pergunta. “Descobri coisas que vão mudar nossas vidas. Há um mundo e tanto lá fora. Nenhum de nós jamais o viu e sentiu.” Fernão corre para mostrar o que aprendeu, mas dá tudo errado: seu vôo rasante sobre o bando põe todos em risco. Ele é convocado pelos velhos do bando e expulso.

Depois de vagar uma eternidade e quase morrer congelado, esquecido pelo mundo, Fernão é resgatado pelo seu novo bando. Entre eles está seu futuro mestre espiritual, Chang, e com a ajuda dele Fernão vira uma figura messiânica, o “filho da Grande Gaivota”, um guru pra uma nova geração de desgarrados. Fernão volta para espalhar a boa nova para seu velho bando, e lá encontra a resistência deles – novamente. O clima fecha de vez quando uma nova demonstração dá errada, feita por Francisco, um discípulo de Fernão que promete dar um vôo rasante sobre o bando a 320 km/h. Francisco desvia no último segundo de uma gaivota bebê que aparece do nada, e ele se espatifa a toda velocidade nas pedras. Quando tudo parece estar perdido Francisco “ressuscita”, com a ajuda de Fernão. Estarrecidos com o que acabaram de presenciar, os velhos lideram uma caça às bruxas contra Fernão e seus seguidores, e eles escapam por um triz da morte graças aos “super-poderes” de Fernão. Depois desse episódio Fernão se despede dos seus apóstolos e segue rumo a novos bandos, pregando seu evangelho gaivotês mundo afora.

A posteriori o sucesso espetacular de Fernão Capelo Gaivota  não surpreende: foi o livro certo no momento certo. Nem sempre foi assim… É praticamente um milagre que ele tenha sido publicado. No limiar da pobreza e com cinco filhos pra criar, Richard Bach penou por três anos até achar um lar para Fernão Capelo Gaivota. Ele foi rejeitado por 26 editoras. A derradeira, MacMillan, lançou o livro sem verba publicitária. As resenhas iniciais não foram encorajadoras e nem as vendas. O velho boca a boca salvou Fernão Capelo Gaivota do ostracismo, e lentamente ele escalou a lista do Publisher’s Weekly, fisgando 1,8 milhões de leitores americanos ao final de 1972. O fenômeno Fernão Capelo Gaivota continua firme e forte no novo milênio: o livro já foi traduzido para 27 línguas e suas vendas superam 40 milhões de cópias ao redor do mundo.

O filme, que prometia ser um evento cultural, não repetiu o sucesso do livro. Fernão Capelo Gaivota marcou época, sim, mas da pior maneira possível. Foi descrito por Roger Ebert como “a maior enganação pseudo-metafísica do ano”. Na época a Time arrasouFernão Capelo Gaivota e sua “teosofia vomitante”. Depois de desdenhar a sua “pieguice”, o resenhista do New York Magazine conclui que o filme “é o tipo de lixo que só uma gaivota pode gostar”. O filme continua a ser mencionado todo ano na lista dos piores já feitos. A maioria das críticas bate na mesma tecla: dar voz aos monólogos internos de Fernão é um caso de vergonha alheia, um dos piores da história. Dói na alma ouvir as gaivotas trocando aforismos “iluminados”. Não é por acaso que os nomes dos atores não aparecem nos créditos do filme, a pedido deles mesmos. Num determinado momento, o próprio Richard Bach processou Hal Bartlett por alterar suas idéias – o diretor reescreveu o diálogo sem sua permissão, ferindo a “integridade” do seu texto. Sei não. Acho mais provável que Bach não quisesse estar associado ao filme, e fez de tudo pra atravancar o lançamento do mesmo. Enfim, Fernão Capelo Gaivota é tão ruim que a Columbia Pictures só teve coragem relançá-lo em DVD em 2007, 30 e tantos anos depois de sua estréia malfadada.

Duas coisas (quase) salvam o filme. Uma delas é a fotografia. Logo no início o espectador é convidado a um banquete visual: a câmera mergulha entre as nuvens e sobrevoa os penhascos costeiros, captando a beleza turbulenta das ondas do mar quando elas se chocam nos rochedos. São tomadas aéreas de tirar o fôlego, filmadas na Califórnia e no Novo México. Jack Couffer, responsável pelas imagens belíssimas de Fernão Capelo Gaivota, foi indicado ao Oscar de “Melhor Cinegrafia”. A outra é a música de Neil Diamond.

Mas apesar de tudo, quanto o livro qunto o filme, por suas idéias, e no coso do filme, sua fotografia e sua trilha sonora, valeu para o filmes estar no “Cinema 10”, a lista aonde só 13 filmes entraram.

cropped-fgyty.png

Apoio cultural:

logo_ache

Especial: Cinema 10 (ep.2) – Na Trilha do Grupo Aquecendo (Ep. 2)

cinema10Trilha-Sonora-Filmes

Especial Cinema 10 – Na trilha do Grupo Aquecendo

Doutor Jivago

jivago

Sinopse:

A Revolução Russa de 1917 serve de cenário para a história de amor entre Yuri Jivago, um jovem médico aristocrata e Lara Antipova, umaenfermeira plebéia.

Lara é filha de uma costureira russa que, viúva, apenas consegue sustentar a casa em que ambas moram graças ao dinheiro que lhe é dado periodicamente por Victor Komarovsky, um importante e inescrupuloso expoente da sociedade local.

Apesar de Victor e a viúva manterem um relacionamento “secreto”, o homem se encanta pela beleza da doce Lara, que contava com apenas 17 anos quando ambos se beijaram pela primeira vez na volta de uma festa.

Apesar da relação vexatória mantida entre Lara e Victor, Pascha Strelnikoff, jovem romântico e revolucionário, apaixona-se pela menina e começa a namorá-la.

Enquanto a relação de Lara e Victor mostra-se destrutiva (a mãe de Lara, ao descobrir o relacionamento, tenta se matar), o namoro de Pascha e a moça se mostra uma saída sensata para ela dessa confusão, pois o moço a pede em casamento e ela aceita.

Ao saber do pedido, Victor discute com Lara e a violenta, chamando-a em seguida de “vagabunda”. Lara descontrola-se e invade uma festa de Natal na alta sociedade russa para tentar matar, sem sucesso, o ex-amante.

Jivago, que já havia visto Lara ao salvar sua mãe do suicídio, estava presente na festa com sua noiva, Tonya, e fica surpreso com a atitude e coragem da jovem. Apesar da impressão deixada, eles só se encontram anos mais tarde, ao serem voluntários (médico e enfermeira, respectivamente) na 1ª Guerra.

A esta altura, Jivago está casado e tem um filho com Tonya, enquanto Lara procura seu marido Pascha, que sumiu durante uma missão na Guerra. Por passarem seis meses juntos em uma situação tão adversa, a aproximação dos dois é inevitável.

Com o fim da Guerra, Jivago e Lara voltam para suas famílias e perdem o contato. Ao voltar para casa, Jivago se depara com a decadência da alta sociedade russa e decide fugir para o interior com sua esposa, filho e sogro.

Elenco:

Omar Sharif …. Yuri Jivago
Julie Christie …. Lara Antipova
Geraldine Chaplin …. Tonya
Rod Steiger …. Victor Komarovsky
Alec Guinness …. general Yevgraf Jivago
Tom Courtenay …. Pasha Strelnikov
Siobhan McKenna …. Anna
Ralph Richardson …. Alexander Gromeko
Jeffrey Rockland …. Sasha
Tarek Sharif …. Yuri – jovem
Bernard Kay …. bolchevique
Klaus Kinski …. Kostoyed Amourski
Rita Tushingham …. garota
 

Premiações:

Oscar 1966 (EUA):

  • Ganhou cinco prêmios, nas categorias de Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte – A Cores, Melhor Fotografia – A Cores, Melhor Figurino – A Cores e Melhor Trilha Sonora.

Foi ainda indicado nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Tom Courtenay), Melhor Edição e Melhor Som.

Globo de Ouro 1966 (EUA):

  • Ganhou nas categorias de Melhor Filme – Drama, Melhor Diretor, Melhor Ator – Drama (Omar Sharif), Melhor Roteiro e Melhor Trilha Sonora.

Recebeu ainda uma indicação na categoria de Melhor Revelação Feminina (Geraldine Chaplin).

BAFTA 1967 (Reino Unido):

  • Recebeu três indicações, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator Britânico (Ralph Richardson) e Melhor Atriz Britânica (Julie Christie).

Grammy 1967 (EUA):

  • Ganhou na categoria de Melhor Trilha Sonora Composta Para um Filme.

Festival de Cannes 1966 (França):

  • Indicado à Palma de Ouro.

Prêmio David di Donatello 1967 (Itália):

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Trailer:

Trilha Sonara:

Instrumental

kkkk

%d blogueiros gostam disto: